Personalidade e os padrões impostos

19 agosto, 2017
Olá, pessoinhas! Como estão?



Esses dias fui agraciada por uma inflamação na gengiva graças aos dentes do siso que estão nascendo. Imaginem a dor que estou sentindo... Mas por que estou falando isso? Pra compartilhar as 34654232 de sopas que estou tomando esses dias? Não!

Estava tranquilamente assistindo TV quando começou aquele programa Esquadrão da Moda. Já assisti algumas outras vezes, mas hoje algo me chamou muito a atenção. Algo que eu sei que acontece em todos os programas, mas que não tinha me tocado do quão maléfico é.

A convidada do dia é advogada. Adora roupas curtas, estampas chamativas e tem um cabelo marsala. É da sua personalidade. A questão é que ela foi julgada todo o tempo sob a justificativa de que suas roupas não eram adequadas para seu ambiente de trabalho. E que ela precisava de roupas mais sérias.

Quando você se deparava com a jovem, via alguém cheio de vida, divertido, engraçado. Ela tinha um sorriso encantador e contagiante. E seu cabelo marsala era divino! Até eu quis aquela cor hahaha No fim, eles prestaram sua consultoria, trocaram suas roupas, pintaram seu cabelo para um vinho bem escuro e ela saiu com uma cara até satisfeita.

Se ela saiu satisfeita, qual é o problema? Outras pessoas moldaram a personalidade dela. 

Mudanças são válidas e bem vindas, servem para a evolução do ser humano. Desde que seja uma escolha própria, e não para agradar pessoa x ou y ou para se inserir em um padrão ou grupo.

Mas você pode me dizer: "Isso é um problema mais grave, ela precisa se adequar para conseguir trabalho na área". Sei que Direito é uma área complicada, tenho amigos advogados que gostariam de fazer tatuagem ou pintar o cabelo de outra cor e não podem porque não conseguiriam mais emprego. Mas a questão é muito mais complicada, pois sabemos que se expandirmos esse assunto para a vida pessoal, a situação continua parecida.

Darei um exemplo pessoal: Dia desses comprei um short de veludo. Coisa mais linda, do jeito que queria. Para ir em uma reunião com amigos próximos, resolvi fazer um look que estava planejando há muito tempo: Uma camiseta inspirada em camisetas de times americanos (você pode ver ela nessa foto aqui e aqui), o short, minha bomber vermelha amada e uma bota de veludo para quebrar o look 100% esportista. Em breve quero fazer esse look pro blog, porque modéstia a parte, ficou muito lindo hahaha

Quando estava saindo de casa, minha mãe questionou meu look: Dizia que não tinha nada a ver, que era horrível e que com aquele short curto parecia uma periguete. Que era melhor trocar de roupa e colocar uma roupa mais "de mocinha". A questão é que "de mocinha" não é meu estilo, não reflete minha personalidade e dá pra contar nos dedos as roupas fofas que tenho no guarda roupa. 

Com todo respeito à minha mãe, fiquei com minha roupa e muito feliz. Porque aquilo é exatamente quem eu sou. É a minha personalidade. E eu demorei muito para construir isso, agora tenho muito orgulho. 

E depois de todo esse textão, que mensagem quero passar afinal? Sejam vocês, e não o que querem que vocês sejam. A juventude de hoje tem problemas sérios de auto estima, de confiança, de acreditar em si mesmo. Mas você é incrível do jeito que é. Sendo roqueiro, usando roupas curtas, ou com o estilo bonequinha. Apenas seja você. <3 

1 comentários:

Comente pelo Facebook

  1. A cara, eu acho bem triste isso. Sempre fui a favor de ser você mesma.
    O que eu já vi muito no esquadrão da moda americano, o original e tals é que muitas vezes as pessoas não são aquilo, é como se fosse uma armadura, muitas delas não se sentem bonita de outra forma e querendo ou não passam uma mensagem errada sobre elas. Eu acredito fielmente que quem está satisfeita de verdade com seu estilo não aceita ir até o programa e ouvir criticas. Eu acho que na maioria das vezes o programa devolve a auto estima para as pessoas.

    Estou defendendo o programa, não é por querer nem nada, só que eu já pensei que o programa era ridículo mas dai olhei em um âmbito maior e vi que eles não querem tornar a pessoa diferente, eles querem que ela seja ela mesma porém de um jeito mais sofisticado e não tem nada errado nisso.

    Mas sim, eu concordo que se a pessoa está feliz com o que veste, o jeito que é, tem que continuar assim e não podemos nos reprimir e deixar de fazer coisas só pelo que os outros vão pensar. Temos que fazer coisas que queremos e gostamos. Ok, as vezes não podemos pintar o cabelo pq a empresa não aceitaria e temos contas para pagar, mas nas férias bem que dá pra fazer umas loucuras, não acha?

    Amei o seu post

    Beijos da Pink do blog Pink is not Rose 🖤

    ResponderExcluir