Meu coração é eternamente dele. O dele nunca foi meu.

22 janeiro, 2017
Créditos: kaboompics

Se enganou quem pensa que esse é um texto sobre posse. Gostar não tem nada a ver com “possuir” e sim com “se doar”. Dar o melhor de si para ver o outro feliz. É entender que a felicidade de quem se gostar nem sempre será ao nosso lado. E quando isso acontecer, a melhor coisa a fazer é encarar o destino e guardar o melhor de tudo o que aconteceu dentro do coração. Depois de um tempo, as lembranças doem menos. A saudade deixa de doer pra virar algo bonito e você deseja para o outro o bem que ele merece.

Com esse conceito muito claro em mente, podemos prosseguir.

Existem tantas coisas que eu gostaria que ele soubesse. Tantas coisas que meu peito guarda e minha boca engole de novo pra dentro dele sempre que a vontade de falar surge. Se eu pudesse eu diria que o sorriso mais sincero que ele já me deu ainda está cravado na minha memória. Que os nossos melhores momentos, na minha, opinião, dariam um belo livro. E quem sabe eu não eternize mesmo? Pra um dia ele achar na prateleira de uma livraria qualquer, ver meu nome na capa e sorrir, pensando que a minha teimosia me fez conseguir. Sem nem desconfiar que tudo será sobre ele. Sobre nós.

Dizer pra ele que até hoje, ele é a única pessoa capaz de estremecer todos os meus músculos, arrepiar minha espinha e bagunçar minha cabeça. E que a vida vai muito bem sim, obrigada. Mas, se eu pudesse escolher algo, seria a mão dele na minha.

Diria que eu ainda falo da gente pra algumas pessoas, mas elas não acham graça daquelas coisas que só nós entendíamos e ríamos. Se eu as citasse hoje, será que ele lembraria? Será que iria rir como eu dou risada cada vez que lembro?

E eu poderia dizer que tô cansada daquela música no repeat. Aquela que me faz lembrar. Aquela que me ajuda a escrever agora. Mas eu estaria mentindo. Porque ela se tornou um pedacinho de tudo o que vivemos. A vida segue, outras histórias e outras pessoas virão. Ainda há tanto por vir. Mas meu coração será pra sempre dele. Já o dele, nunca foi meu. Mas quer saber? Já não me importa, muito menos me magoa. Desde que eu tenha a certeza que aquele sorriso continua brilhando por aí, tudo estará bem.

1 comentários:

Comente pelo Facebook