Era hora de te dizer adeus

13 novembro, 2016
Eu não queria te olhar direito e fazer você perceber a tristeza que transpassava minha alma e já estava em meu rosto. Mas ao mesmo tempo, queria observar cada detalhe em você. Cada pequena coisa que te compõe e te faz assim, tão único. Você me abraçou e eu desmanchei ali, escorri pelos seus braços e torci para que ficássemos, que não fôssemos até o fim. Mas nós fomos. Tínhamos que ir. Você soltou o sorriso mais aberto do mundo e disse: "A gente se fala". 



O mais irônico é que eu tinha tanta coisa pra falar e respondi exatamente a mesma coisa. A-GENTE-SE-FALA. Robótico assim, como quem já sabe que serão algumas conversas descompromissadas no Whatsapp, uns likes no Instagram, umas curtidas no Facebook, quem sabe um emoji descontraído no Snapchat. E só. É nisso que se transformam os sentimentos agora?

Respirei fundo e concentrei no que tinha que fazer. Ou pelo menos tentei. Precisava de um café. Fui até a cozinha e claro, você estava lá, me desconcertando uma vez mais. "Você está aí ainda?", perguntei. Talvez numa tentativa desesperada de te ouvir dizer que não precisávamos dizer adeus. Que aquela casa ainda seria cenário das nossas aventuras. E um até logo bastava. Um até amanhã. Até sempre. 

Minha boca coçava pra te dizer que juntos somos uma dupla imbatível e que toda essa mágoa no peito vai passar. Que eu sinto muito por ela ter te magoado tanto, que eu também fui magoada assim e que é balela essa história de que um amor cura outro, mas se estivesse disposto, encararíamos o mundo com esse senso de humor que é tão nosso. Porque sim, até nisso tínhamos que combinar. Combinamos nos gostos, nos livros, nas músicas, na cama, na vida e no medo de se entregar. Será que poderíamos superar esse último juntos também?

Tive medo da resposta - ou do silêncio - e voltei para meus afazeres. Não sem antes olhar pra trás e te ver me observar também. É uma pena, meu bem, mas era hora de te dizer adeus. Vi você passar pela porta em passos largos, porém lentos e ir para o mundo. Ir para longe de mim novamente. Fiquei ali com meu café, minha saudade e com todas as palavras que não tive coragem de dizer. Mas a gente se fala, não é mesmo? Quem sabe em uma dessas conversas elas acabem saindo e, se tivermos muita sorte, atinjam direto o seu coração.

0 comentários:

Comente pelo Facebook

Postar um comentário