Porque gostamos tanto da dor?

01 novembro, 2015


Dia desses estava conversando com um amigo sobre tudo e sobre nada quando ele me questionou:

- Porque quando estamos na fossa, buscamos alimentá-la pra ver se nos afogamos?

Isso me fez refletir. Porque o ser humano tem essa tendência de procurar o que lhe faz mal? A resposta que encontrei é simples: Porque precisamos sentir a dor. Preferimos apertá-la até nos sentirmos sufocados que simplesmente ignorá-la até passar. Somos meio masoquistas. E também não acreditamos se não sentimos. A ferida pode estar ali, mas não é real se não apertarmos até sangrar.

Se a música que te faz lembrar aparece no aleatório, além de ouvi-la e puxar todas as lembranças do fundo do baú, é bem capaz de você procurar todas as outras e abrir o álbum de fotos para se martirizar. Enquanto você sofre pelo o que já passou, a vida observa calada (e decepcionada) você ignorando os sinais de que precisa continuar. Se prender ao passado é pular o presente e desperdiçar o futuro.

Então chegamos a conclusão de que, no fim das contas, esse passado acaba nem sendo o que realmente foi. Vira uma misto de ficção e realidade que sua mente recria para viver. As coisas que foram ruins são anuladas, e você se prende ao que foi bom (e, em muitas das vezes nem foi tão bom assim) para sofrer mais. E você quer voltar. Desesperadamente voltar para um momento que já acabou.

Não existe fórmula pronta para fugir disso. Inclusive, creio que não existe escapatória. Pelo lado positivo, daí que saem tantas canções, obras de arte e textos como esse que você está lendo agora. Dor é combustível, mas se não for dosado, acaba virando combustão.

Então relembre do que realmente importa, do que você se permitiu viver. Mas faça isso nos momentos certos, e sem sofrer pelo o que aconteceu ou deixou de acontecer. Assim, da próxima vez que aquela música aparecer no aleatório do seu player, não se entupa de sorvete e chore as mágoas. Levante da cadeira e saia dançando, cantando e deixe a vida orgulhosa de você, enquanto você mostra para ela o que é felicidade de verdade.

*Texto colaborativo com Anderson Pires.

13 comentários:

Comente pelo Facebook

  1. Oi, como vai?
    Eu não me considero uma pessoa masoquista não. Não gosto de apertar a minha ferida até sangrar. Mas gosto de ter meu tempo pra sentir e refletir sobre minhas atitudes e porque eu estou passado por aquele momento delicado na minha vida. Aprendemos com nossas desilusões também é acredito que nada está perdido. Achei algumas de suas ideias super válidas e amei o texto apesar de não valer como um todo pra mim .
    Beijo
    www.livricios.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, pensando em tudo o que passamos, conseguimos refletir e conseguir seguir em frente...

      Excluir
  2. Ah Day, como não me apaixonar (e identificar) por tudo o que vem de você? Eu faço tanto isso, faço o tempo todo. Fico superestimando o passado e aumentando a dor ainda mais. Acabo alimentando um monte de mágoa que já passou, um monte de sentimento ruim, sem motivo nenhum, e isso me machuca. Algumas frases desse texto ficaram bem marcantes para mim, e não duvido que eu volte a lê-lo caso as coisas fiquem difíceis de novo. Estava com saudades de você. Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nath, sua linda! Não fique remoendo o passado, isso traz tanta mágoa desnecessária. O futuro é lindo, lembre-se disso <3

      Excluir
  3. Seu texto foi lá no fundinho da alma e deu um olá. A dor aperta mesmo, e temos, precisamos e necessitamos senti-la, é natural. O problema é esquecê-la depois, deixá-la no passado, onde tem de ficar. Adorei ♥

    ResponderExcluir
  4. A gente tem essa mania de querer, com toda a intensidade, sentir o que nos faz mal. Eu sofro muito disso, ainda mais por ser alguém que fica feliz/triste com pouco. Qualquer coisinha já me arranca sorrisos ou lágrimas. :(
    Mas de certa forma, não seria melhor se nós sentíssemos aquilo tudo de forma intensa e usássemos isso para entender melhor o nosso interior? Mesmo sendo tão difícil... :\
    Beijinhos, adoro seu blog! :*

    http://sobrenovacriacao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou uma pessoa muito intensa também, se sinto, sinto com todas as forças... Acabo complicando tudo hahaha mas no fim, procuro não prolongar a dor :/

      Excluir
  5. Muito bonito o seu texto, você escreve muito bem parabéns.
    E na minha opinião acho que temos sempre que agradecer o que aconteceu e devemos ver a felicidade em tudo que passou, pois durou o que tinha que durar e ajudou de alguma forma e foi bonito naquele momento vivido.
    Xoxo :*
    www.isabelamingues.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, Isa! Eu sempre digo muito aqui, que tudo na vida é aprendizado, mesmo qual é algo muito ruim

      Excluir
  6. Você escreve super bem! Amei o texto e concordo, eu faço isso sempre que tô triste hahaha. Coloco o passado como se fosse um filme super triste e fico procurando a trilha sonora pra ele.

    Beijos

    kledisse.wordpress.com

    ResponderExcluir
  7. A dor faz parte de quem nós somos, nós precisamos senti-la, para lidar com a situação, para lidar com a pessoa que nos magoou e também para aprender, para usar aquilo como uma forma de amadurecer e conseguir seguir em frente. Talvez não seja "gostar da dor", mas perceber a importância de sentir com intensidade cada sentimento, seja ele bom ou ruim.

    http://lenabattisti.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir