Dani Black no Auditório Ibirapuera

15 setembro, 2015

Durante uma noite de dilúvio na capital paulistana, dentro do Auditório Ibirapuera (localizado dentro do parque) o que se viu foi um dilúvio de emoções, sensações e música boa. Dani Black estreou sua nova turnê na capital paulistana em grande estilo. Trouxe consigo pessoas que marcaram a vida dele e tornou ainda mais inesquecível essa apresentação. 

Dilúvio é o novo CD do cantor que mistura solos de guitarra à letras muito bem elaboradas. Traz algumas canções já conhecidas por quem acompanha o repertório do cantor, como Linha Tênue, Só Sorriso e Seu Gosto, e novas composições. O disco completo está disponível para download no site do cantor. E sim, vale muito a pena escutar!


Já haviam sido anunciadas as participações de Maria Gadú, 5 a Seco e Chico César. Mas Dani ainda surpreendeu mais. Colocando todos para tocar e cantar juntos. As músicas escolhidas foram Axé a Capella e Fora de Mim (que por uma maravilhosa coincidência, é minha música favorita do CD ♥).

5 a seco, Dani Black, Chico César e Maria Gadú, juntos no mesmo palco ♥


O público ficou extasiado ao ver todos juntos no mesmo palco, partilhando da mesma festa.
Além das músicas do Dilúvio, ele cantou músicas já consagradas de seu primeiro CD, como Juntos Outra Vez e Deixar o Barco Ir. Nessas, foi ainda mais acompanhado por um coro de vozes empolgadas da plateia. No palco, além dos artistas convidados, estavam também Zé Godoy (piano, teclados e programação) e Sandro Moreno (bateria). Ambos fizeram solos incríveis para mostrar ainda mais seu talento para o público. 



Ao fim, Dani reafirmou o que tinha dito no começo: As duas palavras mais ditas no show seriam "Dilúvio" e "Obrigado". Terminou com Bem Mais e um bis de Maior. Essa, foi entoada pelo público após o fim do show, enquanto saiam do auditório. Quanto ao obrigado, nós que agradecemos por essa noite inesquecível. 

Um look qualquer em um domingo especial

12 setembro, 2015
E aí, galerinha, como estão? Sim, estou meio sumida, eu sei. Com o fim do Beda e uma vida super atarefada precisei tirar uns dias de "folga" do blog. Mas já estou de volta e venho hoje com um post completamente diferente do que já fiz aqui. Para começar, um agradecimento especial à Simone Montilares por ser uma fotógrafa tão paciente, à Manuella Firminy por disponibilizar a câmera e as fotos. À Pam Dal Alva pelo making off e vlog do encontrinho que ficou maravilhoso! Para a Amanda Souza, pelo apoio moral, já que partilhamos das mesmas coisas quanto à isso hahaa, para a Van Dias que esteve presente com sua alma, e para a Bruna Espinosa que foi minha amiga secreta e me deu o presente mais lindumundo! Ganhei uma caneca do Chewbacca, uma máscara de dormir e um pingente do Robotinik, do Sonic. Tô babando neles até hoje! 

Mas Daiany, cadê o post diferente e blá blá? Eu fiz um look do dia. Aliás, as meninas fizeram comigo. Sem elas, nada sairia. Não estou acostumada a fotografar e confesso que foi uma experiência complicada no começo, mas que se tornou muito divertida no final. Não sou blogueira de moda, nem entendo muito sobre mas aprendi que é sempre bom sairmos da nossa zona de conforto.










Para completar, deixo o vlog da Pam, para vocês conferirem como foi a sessão de fotos e o que mais de legal teve nesse encontrinho com minhas blogueiras lendjas:



Sobre o look: Vestido: Marisa | Kimono: Wish | Tênis: Beira Rio

Sobre o dia em que te vi nos meus sonhos

07 setembro, 2015
Créditos: ramicm
Faz tempo que não sei nada de você. Mas do jeito que te conhecia, deve estar se aventurando por aí. Eu te conhecia, não é mesmo? Às vezes eu duvido disso, mas depois lembro da sinceridade das suas palavras nos momentos doces e naqueles que eu preferia nem lembrar mais. Parece que faz tanto tempo, e ao mesmo, as memórias me fazem ter a sensação de que foi ontem mesmo.

Estava tudo bem, sabe? Estava levando um dia após o outro, com as expectativas voltadas para a vida, com a cabeça em outras coisas - e nas nuvens, como sempre. Cheia de projetos, cheia de esperanças, cheia de vida.

Mas parece que meu cérebro foi programado para lembrar. Lembrar de tudo aquilo perdi há um tempo atrás. E de tudo o que nunca tive, mas um dia almejei. E como um passe de mágica e uma ironia do destino, você me apareceu. Nos sonhos, mas apareceu. Para relembrar os medos que ainda tenho, das coisas que nunca vou entender e do tempo que passou sem que eu percebesse.

Duro não foi te ver. Não foi perceber que ainda lembro das suas feições, dos seus traços, do seu jeito e até das suas roupas... Não foi perceber que se fosse possível, até seu cheiro eu lembraria, porque está preso na minha memória. Triste foi que até mesmo nos meus sonhos, você escancarava a realidade.

Não sei onde está. Mas sei que está feliz. Sei que está com alguém. E sei que nesse momento, nem cogita a ideia de que estou pensando em tudo isso. Talvez nem lembre da minha existência. Mas se um dia, assim sem querer, sua mente também lhe pregar uma peça e eu aparecer durante seu descanso a noite, fique tranquilo. E saiba que a "eu dos seus sonhos" não terá rancor. E lhe sorrirá da mesma forma que você sorriu. Realizada e livre de qualquer mágoa.


*Baseada em uma história de amor que tinha tudo pra dar certo. Ou não.