Eu aprendi a dizer adeus

28 agosto, 2015
Créditos: Unsplash
Ouço tanto ouvir falar em "pratique o desapego". Mas poucos sabem o real significado dessa expressão. Estou agora tomando meu caminho pra casa, em paz e pensando em tudo que ganhei e perdi. Hoje é uma sexta qualquer de uma semana qualquer, E deu saudade. Até do que não vivi. Engraçada essa vida! Como podemos ter saudade de coisas que no fim das contas, foram faz de contas de uma mente borbulhante. Apenas ri, pois de sofrimento e agonia por essas coisas não me restou nada.

Revirando um pouco mais, encontrei amores perdidos, amigos sumidos, lugares que dificilmente voltarei. "Se tens que me deixar, que seja então feliz". Quem cantava não aprendeu a dizer adeus. Mas eu aprendi. Existem momentos na vida que não há nada mais a fazer do que se deixar ir. Ou de você mesmo partir. Pegar as malas e seguir rumo a próxima aventura. 

Não foi fácil entender isso. Não foi fácil entender que desapego não é essa coisa banal que pregam nas músicas de hoje em dia. É saber a hora certa de se deixar ou deixar o outro livre.E essa foi minha mais difícil missão. Nunca fui apegada à coisas físicas. Mas a pessoas e lugares... Esses parecem se materializar e se instaurar dentro de mim de uma forma que arrancá-los seja tão difícil como arrancar uma árvore enraizada há séculos.

E qual foi minha solução, afinal?

Perceber que às vezes não é necessário arrancar a árvore por completo. A solução é podá-la e conservar apenas a parte boa. E deixar que o que não ficar, ou voe pelo vento, ou vire adubo fértil e leve vida nova a outros solos.


3 comentários:

Comente pelo Facebook

  1. Sim, Day! Queria eu ter entendido isso mais cedo, teria evitado muito sofrimento. Mas a vida é assim, a gente erra, quebra a cara, e o ciclo vai se repetindo até aprendermos a lição. Texto ótimo, como sempre. Nivel Day <3 (saudades, mulher!)

    ResponderExcluir
  2. Eu estou passando por uma situação com uma amiga que gosto muito, mas que tem me feito pensar que talvez seja o momento de "deixá-la ir", a gente não pode obrigar as pessoas a estarem perto de nós, às vezes o melhor para elas (e para nós também) seja se afastar. Não significa que não haja sentimento ou que aquela história não foi boa, mas às vezes isso é necessário, talvez as coisas não deem mais certo e seja melhor assim. O que fica são as boas lembranças e os momentos compartilhados. E algumas pessoas vão embora, mas outras acabam surgindo e é assim que funciona a vida, a gente tem que aprender a viver dessa forma.

    http://lenabattisti.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Adorei o texto e me identifiquei muito. Deixar lugares e pessoas com a possibilidade de ser para sempre é complicado. Beijo

    ResponderExcluir