Por onde anda a empatia e o amor?

27 junho, 2015
Créditos: AndreasWeitz

Sentei hoje para escrever. Tantas ideias na cabeça, mas somente uma frase rondava a minha cabeça: Por onde anda a empatia e o amor? Nessa semana, um grave acidente tirou a vida de dois jovens - e acho que não é nem necessário citar seus nomes, vamos deixá-los descansar em paz de uma vez por todas - e o que se viu foi uma onda de falta de respeito e compaixão pelas famílias. Você não precisava conhecê-lo ou acompanhá-lo para se solidarizar. Muito menos para respeitar. Bato sempre nessa tecla: O que falta nesse mundo é empatia. 

As pessoas compartilhavam, comentavam, disseminavam a atitude grotesca. E meu estômago embrulhava. Meu coração apertava. Não com as cenas em questão, porque não quis ver. Mas com até onde o ser humano pode chegar. 

Ainda essa semana, os EUA aprovaram o casamento entre homossexuais. Tio Mark, em comemoração, colocou uma pequena homenagem em sua rede social, onde todas as fotos de perfil poderiam ficar com as cores do arco-íris, uma comemoração à notícia. Repito: O que está em discussão aqui não é se você aceita, se acha certo, se é ou não é. O que se viu ali foi uma comemoração do amor. E ninguém é obrigado a aceitar ou concordar. Mas todos temos sim que respeitar. Respeitar, inclusive as opiniões contrárias, desde que centradas e educadas. Vivemos em um mundo de diversas crenças e ideias, e a intolerância quanto à elas que causa tanta dor, guerra e desavença.

E em meio a tanto amor e felicidade, me deparei com comentários preconceituosos e coisas do gênero:  "Acham que eles sofrem? Veja as crianças da África". 

A fome é um problema mundial. A homofobia também. A intolerância religiosa também. A desigualdade social, a falta de moradia, o preconceito racial. Todos são problemas sérios, e só quem sofre na pele consegue mensurar a dor que sente. Não tente menosprezar uma dor por outra. Não tente diminuí-la por não se sensibilizar com a causa. Ao contrário disso, semeie o bem. Tente fazer a diferença todos os dias e tente mudar uma situação que você não aceite, como a própria fome. Olhe ao seu redor e veja se não pode ajudar, ao invés de criticar o que não concorda. No mundo onde o mal prevalece, faça o bem. Te garanto que terá uma sensação maravilhosa. 

Por fim, deixo minha revolta por tudo andar tão banalizado. Tudo é motivo para virar notícia e ter seus 15 minutos de fama. E nesse pensamento vamos atropelando pessoas inocentes, famílias que sofrem, pessoas com opiniões diferentes das nossas. Não há tolerância com mais nada, e a generalização é a palavra da vez. Se um faz, todos fazem também. Esse é um desabafo de uma pessoa na multidão. Mas uma pessoa que vê todos os sinais de alerta, e que pode sonhar até demais, mas que sonha com um mundo com mais amor, por favor. 

2 comentários:

Comente pelo Facebook

  1. Acho que o que mais falta na sociedade atualmente é a empatia, sem sombra de dúvidas, as pessoas são tão focadas nelas mesmas que não conseguem se sensibilizar com a dor do outro, o que importa é estar bem, como se o outro não tivesse nenhuma importância e isso machuca meu coração, é triste perceber que o mundo funciona dessa forma, e espero que um dia as coisas possam mudar.

    http://lenabattisti.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E digo mais sis, as pessoas estão se importando apenas em se sobressair, em serem o melhor não importa o que custe.

      Excluir