Quatro estações

25 fevereiro, 2015
Créditos: Victor Hanacek
Não é de agora que todos sabem o quanto fins de relacionamentos são ruins. Por mais que você termine amigavelmente, seja uma decisão mútua ou qualquer coisa do tipo, alguém sempre fica com aquela sensação de querer mais um pedaço daquele bolo delicioso, mas ele acabou. Aquela sensação de querer comprar algo muito importante, mas sua conta bancária não permite. Enfim, uma certa frustração.

Ouso dizer que após um término, a pessoa passa por estágios, que podem variar entre si. Primeiro vem aquela dor da solidão, que parece não ter fim, que te dá vontade de arrancar o coração do peito e deixar na primeira lixeira que encontrar. Depois, você entra num estado de autodestruição e autoconstrução, mas as pessoas não se encaixam, e você vai e desmonta e remonta tudo milhares de vezes, sem conseguir encontrar o encaixe perfeito. Por fim, você desiste de tudo e passa a aceitar aquela condição como algo que faz parte da sua vida. Mais dia, menos dia, como num passe de mágica, parece que tudo volta ao normal e você segue como uma pessoa renovada.

Nesse momento até pensa em nunca mais repetir esse ciclo, mas uma coisa te digo meu amigo: esse ciclo pode se repetir diversas vezes na sua vida e você pode chegar a pensar que não foi feito para essas coisas.

Eu mesmo passei incontáveis vezes por esse processo, em algumas achei que não fosse sair nunca da solidão, que parecia consumir cada pedacinho de luz que existisse em mim. Outras vezes fiquei tanto tempo me reconstruindo, que cheguei a pensar que esse quebra-cabeças nunca mais fosse montado novamente. Até chegar num ponto em que tudo isso se tornou natural. Lágrimas até surgiam, mas eram represadas. Inclusive cheguei a pensar o mesmo que você, que não fui feito para essas coisas, mas a verdade é uma só: tudo isso acontece para que nos renovemos. Somos como as quatro estações, agora podemos estar num dos invernos de nossas vidas, mas acredite, quanto mais longa é essa época, maior será a nossa primavera.


14 comentários:

Comente pelo Facebook

  1. Essa coisa do fim inesperado é a pior parte. Ter que aceitar que aquilo acabou e não vai ter um continuação que você imaginou um dia. É horrível pensar que muitos dos nossos sonhos imagináveis não vão se tornar reais, talvez por nossa culpa, ou talvez por culpa dos outros. Adorei o texto []

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que a pior parte desse ciclo seja exatamente a aceitação. A gente tende a rejeitar que acabou :(

      Excluir
  2. Conseguiu descrever praticamente tudo o que sinto/senti. Estou no período de reconstrução (faz um ano dia 10 de março), e, por mais que às vezes eu realmente pense que não fui feita para essas coisas, lembro que ainda temos muito para viver. Ótimo texto!!

    http://centelhasdeamor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Nath! Por mais que seja doloroso (e é), nunca podemos esquecer que é passageiro. Temos muito pra viver ainda!

      Excluir
  3. Afinal de contas se trata de um fim, e o que é o fim se não o arrancar de uma parte de nossa alma, que nunca voltará mais. A dor permanece e, tudo, até aquele vão ser preenchido por colunas ainda mais fortes. Texto maravilhoso, e real.
    Sexo, Fraldas e Rock'n Roll

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que definição mais linda e real, Paola. Adorei e assino embaixo!

      Excluir
  4. Nossa amei o texto, passei por um término no início do ano e pensei que ia morrer, 3 anos morando com a pessoa e do nada tudo acabou. Sabia que aquela angústia ia passar, por ser meu segundo término, mas queria que passasse rápido, os dias eram mais devagar e emagreci 3kg. Agora já estou super renovada, pronta para amar novamente

    Beeeijos, Love is Colorful

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A pior parte é essa da aceitação, a gente teima a não acreditar que tudo acabou :( mas fico feliz em saber que sua primavera está a porta já e logo vai chegar! ♥

      Excluir
  5. E no final, sempre lembraremos dessas estações. Sejam boas ou ruins. Mas, elas fazem parte de quem somos, da nossa história. Nenhum sofrimento é eterno assim como a alegria também não é.
    Amei essa comparação com as estações.
    Abraços Mika,
    Pensamentos Viajantes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, e tem algo que eu levo na minha vida de que nada é por acaso. Se passamos por algo não muito bom, é porque precisamos passar por aquilo e aprender com a situação

      Excluir
  6. Eu costumo pensar que a gente passa por lutos não apenas quando alguém que gostamos morre, mas também nos términos e mudanças em nossas vidas, porque isso gera um ciclo, do sofrimento até a aceitação, para que possamos seguir em frente. E achei muito interessante fazer uma metáfora dessa situação com as estações do ano, realmente podemos achar que estamos vivendo um inverno difícil, mas logo a primavera chega e tudo volta ao normal para a nossa felicidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acredito também que o sentimento de luto é o mesmo, tem a despedida, a ausência, se acostumar a não ter mais a pessoa do lado... :(

      Excluir
  7. Às vezes pensamos que nunca aprendemos por viver novamente a mesma situação, é difícil poder pensar nessa fase que é passageiro, viver em conflito até com você mesma (o) e aceitar.
    Mas como se diz: a vida muda como as estações do ano! Em um dia você pode chorar, mas no outro falará que foi melhor assim.

    www.universopraticofeminino.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz parte da vida passar por esse processo, né? Por mais doloroso que seja, ele sempre acaba passando!

      Excluir